Executive Education

Somos uma empresa multinacional instalada em Portugal há muitos anos No grupo em que nos integramos a filial portuguesa, não sendo a mais importante em termos de negócio, destaca-se pela qualidade dos produtos e pelos resultados que apresenta.

A gestão das pessoas constitui uma das áreas que mais valorizamos. As nossas políticas de recrutamento são exigentes, mas os nossos gestores tendem a valorizar sobretudo as competências técnicas – onde se sentem mais à vontade – do que em garantir que a personalidade dos candidatos é a mais indicada, não apenas para preencher uma dada função, mas sobretudo para vir a fazer uma carreira internacional no grupo em que nos integramos.

É possível identificar os traços de personalidade mais importantes para um recrutamento de sucesso dos candidatos high flyer?

A RESPOSTA DA EGOR:
A consciência de que os soft skills são tão ou mais importantes que a proficiência técnica numa dada função é hoje consensual. São os soft skills que determinam a forma como as pessoas se adaptam e resolvem problemas, em que medida são confiáveis e demonstram capacidade para liderar e motivar as suas equipas.

Pesquisas conduzidas com lideres de negócios internacionais indicam que, os fatores distintivos mais importantes e que caucionam o talento e o potencial de carreira dos candidatos que queremos recrutar são os seguintes (high flyers):

1) Mentalidade estratégica: as organizações valorizam e necessitam de pessoas que sejam capaz de pensar e agir, tendo em conta o médio e o longo prazo.

2) Capacidade de decisão: pessoas que demonstram capacidade de usar os seus próprios critérios são importantes em qualquer empresa. Os gestores nem sempre tem tempo para resolver todos os problemas. Por tal motivo necessitam de colaboradores que, quando necessário, tomem decisões e demonstrem uma visão de futuro.

3) Pensar por si mesmos: Muitas vezes, numa organização, as pessoas tendem a estar de acordo com tudo o que o chefe diz. Embora certas chefias gostem de se sentir aduladas a permissividade não é útil para os negócios. As empresas necessitam de pessoas que desafiem o estatuto dos gestores e incitem a analisar outras soluções e diferentes perspetivas.

4) Visão de marketeer: mesmo não tendo funções de marketing as pessoas que demonstram assertividade, agem com rapidez e oportunidade e são capazes de assumir riscos, são preciosas para qualquer tipo de negócio.

5) São culturalmente flexíveis: cada organização tem uma cultura e valores próprios. Os high flyers tendem a aderir e a corporizar rapidamente a cultura e os valores da organização.

6) Prudência: Numa organização onde existe uma cultura de inovação e risco, a existência de pessoas que ponderam devidamente as questões são importantes para garantir que os riscos assumidos são devidamente ponderados e evitar excessos.

7) Polivalência: numa empresa raramente se espera que a pessoa desempenhe uma única função. Sobretudo nas pequenas e medias empresas, os empregados são solicitados a alargar as suas funções e a desdobrar-se quando necessário. As pequenas organizações necessitam de pessoas que sejam, não apenas capazes de fazer frente aos caos, mas que gostem de ser desafiadas.

8) entrevista convincente: É impossível evidenciar num curriculum as caraterísticas pessoais identificadas acima como preditivas, mas numa entrevista bem conduzida num processo de candidatura é possível pedir ao candidato que descreva com detalhe várias situações profissionais relacionadas com as características de personalidade que nos interessam aferir. Finalmente este tipo de candidatos demonstram, durante o encontro com o recrutador, que a entrevista tem duas faces: nós estamos a entrevistá-los, mas eles também estão a entrevistar o recrutador.