Fevereiro, 2018

No mundo em que o ambiente dos negócios muda rapidamente e as abordagens tradicionais deixaram de funcionar, é necessário que o discurso disruptivo brote do topo da empresa. A preocupação com os resultados tem, cada vez mais, de coexistir com uma interpretação atenta do que acontece dentro e fora da organização para prever problemas, inovar e testar novos produtos e serviços, tendo em vista a antecipação do futuro e o posicionamento na linha da frente.

Em paralelo, a Gestão de Recursos Humanos deve assumir uma posição estratégica na estruturação dos modelos de atuação que estão na base e filosofia das startups. As ações a desenvolver têm que prever a reinvenção do contexto organizacional para responder às aspirações das novas gerações de profissionais, sem esquecer, no entanto, que elas coexistem no mercado laboral com uma população que se rege por valores diferentes.

Na busca da equidade e justiça, as empresas terão que capacitar-se com as ferramentas necessárias para uma gestão baseada no mérito, como forma de atrair e reter profissionais talentosos alinhados com a alteração do mindset das equipas de gestão, pois o desenvolvimento e retenção do talento na empresa estão fortemente associados com os estilos de liderança.

A liderança terá de traduzir a capacidade de concretização da estratégia da empresa e a energia para transformar os objetivos em resultados organizacionais efetivos. Para cumprir essa missão, é imperioso que os líderes sejam capazes de gerir a complexidade e incerteza, e que atuem como catalisadores da mudança, quer no que respeita à sua assimilação por uma população multigeracional, quer, sobretudo, no que se refere à sua implementação em organizações cristalizadas por modelos hierárquicos rígidos.

Ser líder exige, mais do que nunca, autoconhecimento, consciência das próprias forças e fraquezas e um processo contínuo de desenvolvimento pessoal. Aquilo que pode ter sido condição de um êxito no passado, pode tornar-se fator de insucesso no presente ou futuro.
A Egor é uma empresa nacional que está habilitada para apoiar as organizações de todos os tipos e culturas, e para ajudar os gestores e empresários a identificar as crenças que limitam o seu desenvolvimento profissional, explorando novos entendimentos e comportamentos de gestão que deem resposta adequada aos desafios colocados pelos novos conceitos de liderança.

No âmbito da formação de líderes e de equipas de trabalho ou da reestruturação empresarial, os consultores da EGOR utilizam instrumentos e metodologias próprias de trabalho que, de forma prática e acessível, viabilizam estilos customizados de gestão de pessoas e negócios, baseados em objetivos de eficácia e melhoria do desempenho e mérito pessoal.

Rosa Coelho,
Gestora de Projeto do Grupo Egor

*in Revista Pessoal, janeiro/feveiro 2018

Pesquisar por: